Postagem em Facebook rende R$5 mil de multa a dono de perfil em Planura

Por Administrador 05/09/2016 - 15:07 hs

Uma decisão publicada hoje pelo juiz eleitoral da Comarca de Frutal, André Ricardo Botasso, fixou em R$ 5 mil uma multa aplicada a M.C por propaganda extemporânea negativa contra o atual prefeito e candidato à reeleição, Paulo Barbosa. De acordo com a sentença, o caso teve início antes mesmo das eleições, quando M.C. ainda era pré-candidato a prefeito daquela cidade e teria compartilhado publicações de um outro perfil com acusações contra o atual prefeito. Nesse primeiro momento o caso foi sanado, porém, em 10 de agosto deste ano, a postagem voltou a ser compartilhada e, no entendimento do juiz, ultrapassou o limite da liberdade de expressão ao atribuir falsas acusações ao prefeito sem as devidas ressalvas:

“Analisando as postagens veiculadas pelo representado, de modo compartilhado ou não, entendo que não se trata de simples manifestação de pensamento. Ao lê-las, percebe-se que o representado Márcio acusou o então pré-candidato ao cargo de Prefeito Municipal de Planura/MG, Sr. Paulo Roberto Barbosa, de ter cadastrado veículo particular de sua filha como patrimônio público, de modo a ser ele abastecido às custas do erário municipal. Quando da referida postagem, em momento algum disse se tratar de uma hipótese investigada pela Câmara Municipal. Segue, ainda, questionando a honestidade do então pré-candidato, dizendo que ele não fez obra alguma com o dinheiro público e que o primeiro evento noticiado seria uma das menores barbáries ocorridas em seu governo.

Ora, com a devida vênia, tais afirmações, sem a demonstração de prova cabal ou sem qualquer tipo de ressalva, ultrapassam, a meu ver, os limites da liberdade de expressão, visando exclusivamente prejudicar a imagem do candidato em questão junto ao eleitorado local. Assim, tais postagens, considerando a data de sua postagem e os termos dos arts. 1 e 17, IX, da Res. 23.457/2.015, apresentam-se como propaganda antecipada negativa, portanto vedada, incidindo no caso as disposições do art. 36, §3º, da Lei n. 9.504/1.997, que prevê a aplicação de multa no valor de R$ 5.000,00 (cinco mil reais) a R$ 25.000,00 (vinte e cinco mil reais).”, diz a sentença.

A decisão judicial termina da seguinte forma:

“Desta forma, tendo em vista a primariedade do representado Márcio e o fato de ele ter procedido à retirada das postagens assim que ordenado por este juízo, fixo a multa no mínimo legal, ou seja, R$ 5.000,00 (cinco mil reais).

Diante do exposto, julgo parcialmente procedentes os pedidos formulados pelo requerente para:

a) determinar que Márcio S.C. se abstenha de novamente postar as mensagens anteriormente retiradas; e

b) condenar Márcio S.C. ao pagamento de multa no valor de R$ 5.000,00 (cinco mil reais).

Com isso, confirmo a decisão de ff. 36/40.

Dê-se ciência ao representante e ao Órgão do Ministério Público co atribuições eleitorais acerca da petição e documentos de ff. 131/140.”

Para quem gosta de denegrir candidatos em rede social, fica aí a lição.








Deixe seu Comentário

1. Todos os comentários suscetíveis de serem considerados difamatórios e ofensivos, contendo linguagem imprópria e deselegante, e que visem o autor do artigo, dos responsáveis e colaboradores do Portal Notícias Colômbia ou do autor de outro qualquer comentário, denegrindo, dessa forma, a imagem do Portal, serão excluídos. Esta regra será também aplicável aos que dissimulem tais expressões ou que as substituam por expressões não conotadas como impróprias mas com as mesmas intenções apontadas.
2. Os comentários que, pela sua publicação repetitiva, tenham um conteúdo paulatina e reiteradamente utilizado com o objetivo de “boicotar” o tema ou assunto em discussão, devem, de igual forma, ser excluídos.
Os visitantes do portal, de resto, possuem toda a liberdade para se expressarem sobre os temas ou assuntos publicados, sempre em obediência às duas regras atrás enunciadas, assumindo, porém, toda a responsabilidade pelo conteúdo e sentido dos seus comentários.
Quem reincidir mais do que três vezes na publicação de comentários em infração dos pontos 1. e 2. incorre no bloqueamento do seu acesso ao Portal, sempre após deliberação dos responsáveis pelo Portal.